sábado, 30 de Agosto de 2014

Chuva que cai



 

Gosto de ouvir a chuva que cai

que dança com a luz serena dos lampiões

e que devagar levando vai

as minhas ânsias e arreliações.



Gosto de sentir as gotas da chuva

nos fios de cabelo,na linha da vida,

gotas  que cabem em mim, vestindo-me,justa,como uma luva

fazendo transbordar a minha alma vivida…



Gosto de saborear a chuva de verão

que chega mansa e com cheiro a clorofila

e que vai arrastando o meu coração

pelas ruas empedradas do corpo da ilha.



Gosto da noite e dos silêncios calmantes

que abrem gavetas e contam histórias

de corpos que outrora foram amantes

e hoje quase se perdem só em memórias…



Gosto de acreditar que sou chuva tranquilizante

e  que vou molhando as flores e as valetas da rua,

que chovendo-me regarei essa Terra gigante

que abraça de dia o Sol e à noite a Lua.

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Folha branca

 
 
Quando pegamos numa folha branca
com a intenção de a escrever
passamos a ser um pouco papel,
cessamos um pouco o nosso morrer!

Quando gravamos árvores com palavras
que num momento já foram sentir,
reforçamos,à vida,as nossas raízes
passamos a ser um pouco mais existir.

Quando os nossos sentimentos passam a ser
uma página,um capítulo,livros especiais,
passamos a ser vida que se pode ler,
história,recordação,seres imortais.

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

A Lua da Praia


A Lua chegou pela estrada do céu
vestindo – se de sol e montanha.
Sorria ao mar e à Santa
trazendo beleza tamanha.

Beijou a Praia Iluminando-a
de grandiosidade e glória.
E apaixonadamente, durante a noite, foi beijando-a
levando-a ao amor e à Vitória.

A Lua chegou pela estrada do céu
que embelezado se rendeu
à sua imponência e encanto.
Vestiu-se de sol e montanhas de história.
A Lua chegou carregada de glória
beijando a Praia que amo tanto.

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

Droga-te


Não te prives deste prazer
inala toda a sua potência…
Injeta-te!
Infeta-te!
Esquece a tua sã consciência.

Droga-te! Não ouças ninguém…
Segue em frente no consumo.
Fá-lo cedo,logo pela manhã,
devora todo o seu sumo…

Vicia-te!
Viaja.
Esquece a tua idade.
Droga-te!
Consome-a toda:a felicidade!

quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Meu mundo




Eu não posso afirmar que és o sol da minha vida,
nem tão pouco dizer, que da minha vida és o entardecer,
porque isso faria de ti a minha noite,
a  minha madrugada
e o meu amanhecer.

Não posso afirmar que és o meu céu estrelado
ou a Lua que meu olhar, entusiasmadamente aprecia ,
porque isso faria de ti uma estrela,
um satélite
que só o meu olhar alcançaria.

Jamais posso querer que sejas o meu mar salgado,
ou minha lagoa verde e azulada,
porque assim serias apenas líquido
e toda a parte sólida da Terra
não seria contemplada…

Posso sim afirmar e assumir-te
calmamente e destemida,
amar-te e sentir-te
pois és o meu mundo, a minha vida.

segunda-feira, 7 de Julho de 2014

Não há porta



Quando a morte nos visita
É então que a gente grita
Por nos arrependermos
Do tempo que perdemos
Com tanta coisa fútil
Com tanta luta inútil
De tudo o que não fazemos
E não vivemos,
E vamos morrendo engasgados,
Desgraçados,
com aquilo que queremos.
Quando a morte bate à porta
Percebemos que não há porta
Nem coisa viva ou morta
Que a possa impedir ou travar
e que por mais que a fintemos
Se nascemos então morremos…
Deixem-se de merdas. Vão amar!

quinta-feira, 5 de Junho de 2014

Joias preciosas





Eu guardo joias feitas de reciclagem
colares de massa de moldar;
pulseiras feitas com colagem
com muitas fitas cor-de-rosa a amarrar.

São feitas com tintas e com cola
por mãos pequenas e delicadas,
que pintam colares, bola a bola,
depositando-lhe características aprincesadas…

Eu guardo joias feitas de papel
cartas e postais com letras desregradas
que me foram dadas por olhos de mel
e mãos de fantasia regadas.