sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Que eu saia…



Que eu saia de casa sem perfume
mas jamais sem meu aroma natural feminino.

Que eu saia de casa sem trajos ricos
mas jamais sem meu sorriso encantador.

Que eu saia de casa sem caras jóias
mas jamais sem meu pensamento criativo.

Que eu saia de casa caminhando
mas jamais sem meu coração carregado de amor.

Que eu saia de casa para trabalhar dignamente
mas jamais sem a minha personalidade.

Que eu saia de casa até mesmo sem comer
mas jamais saia, sem meus filhos alimentar.

Que eu saia de casa sempre de cabeça erguida
mas jamais, sem no bolso, levar minha honestidade.

Que eu saia de casa cheia de dúvidas
mas jamais desmotivada, vazia e a chorar.

Que eu saia de casa carregando meus problemas
mas jamais sem os meus sonhos e a minha verdade.

Que eu saia de casa desacompanhada
mas jamais conduzida por enganos e patranhas.

Que eu saia de casa colhendo, com o olhar, o dia
mas jamais contando os dias, negando a idade.

Que eu saia de casa para ver no céu a lua prateada
mas jamais saia, sem o calor do sol, me alimentando as entranhas.



quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Os braços de alguém


                                                      

Os braços de alguém
que abraçam alguém que ama,
são flor perfumada, sol da manhã
são perfume suave, calor de chama.

Os braços de alguém são como um porto,
são abrigo protector,
colo de confiança, conforto,
refúgio de paz e amor.

Os braços de alguém que nos ampara
abriga-nos na alegria e na tristeza
e são de todas as joias, a mais rara,
a mais valiosa fortaleza.

Porque os braços de alguém que nos abraça
com verdade e bem-querer,
transmitem-nos uma paz que jamais passa,
a qual, jamais na vida, poderemos esquecer…




segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Homem



 

Nasceu com a missão de proteger,
e com a força dos braços e da labuta
conquista no dia-a-dia o pão para comer,
faz das guerras do mundo a sua luta. 


Nasceu rotulado de forte
e o mundo impõe-lhe força e poder,
e contornando dificuldades e morte
não chora para não enfraquecer.


No interior vive doce e franzino
mas as dores da vida o consomem;
muitas vezes vemos deliciosos olhos de menino
num corpo apressado de homem.


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Momentos preciosos


Hoje, é aquele dia
pelo qual esperamos ansiosos,
quando vemos olhos radiosos
e brincadeiras de magia.

Vamos armar um circo em casa;
fazer dos rostos, caretas de palhaços,
vamo-nos perder nos abraços
e voar mesmo sem asa.

Hoje vamos colorir paredes de mil cores,
encher a mesa de guloseimas,
vamos esclarecer com calma as teimas
e beijar nossos amores.

Vamos poluir a cozinha de aromas deliciosos
e inventar jogos e folias
e entre gargalhadas e picardias
assinalaremos momentos preciosos.

...E no final da noite volto a ser mãe...
...E tu deixas de ser menino e voltas a ser pai...
Subiremos as escadas … e a criançada vai
aconchegar-se em suas camas, dizendo:Até amanhã!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Paisagem



Podia eu ser uma montanha,
um vale,
uma lagoa,
uma gruta,
um vulcão,
uma enseada,
que havias de me percorrer os trilhos
como se fosse eu uma paisagem
nunca antes desbravada…


Lar de amor



 
De que adianta sermos humanos
e não praticarmos o bem?
É como se tivéssemos um tesouro
e não o partilhássemos com ninguém.

De que adianta sermos sábios
e não aplicarmos o nosso conhecimento?
É como se víssemos no outro a dor
e não aliviássemos o seu sofrimento.

Do que adianta ter braços
se não os usamos para abraçar?
É como
se tivéssemos um coração
e com ele não amar.

De que adianta termos lábios
e não sentirmos de outros lábios o calor?
É como se tivéssemos uma casa
e nela não construíssemos um lar de amor.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Estrada de vida



 

Na estrada da vida eu aprendi
a saber lidar com os obstáculos e com as valetas floridas.
Na estrada da vida em aprendi a percorrer toda a distância de cabeça erguida
e aprendi a erguer-me das quedas que dei.
Na estrada da minha vida eu já optei por atalhos,
já entrei em becos errados e já percorri distâncias intermináveis…
Na estrada da minha vida eu fui muitas vezes atropelada e deixada caída no chão.
Mas, nessa estrada,
nunca ninguém me viu voltar para trás 
lamentando meu percurso e minhas pegadas. 
Muitas vezes percorri minha estrada sozinha e sem medos,
com lágrimas me inundando os olhos,
me afogando a alma,
sufocando-me o peito,
agonizando meu coração…
ainda assim eu defendi sempre meus sentimentos,
minhas verdades e meus amores com unhas e dentes,
carregando as consequências dos meus actos.
Não quero mais estradas invisíveis e destinos mal traçados.
Eu sigo adiante sem parar,
porque sinto no mais profundo do meu ser que parar é sucumbir 
e deixar de ser...
E eu?
Eu,sou!

Com doçura



 

Ainda me amas?
Ainda sentes o meu cheiro quando ausente?
Ainda me desejas em mil camas?
Ainda te sentes devorar-me por dentro?
Será que os meus olhos são a tua chama?
E o meu ventre, ainda a tua almofada?
E os meus seios, que o teu corpo ama,
são ainda teu refúgio, teu porto de chegada?
Ainda me amas loucamente?
E quando chego perto te arrepio?
Ainda sou a energia da tua mente,
a voz que elimina o teu vazio?
Ainda me amas cheio de vigor?
Dentro de ti brotam-te ainda flores de laranjeira?
Ainda sou aquele teu amor
que me faz ser tua desejada companheira?
Ainda me amas?
E meus abraços são a tua incessante procura?
Ainda me amas!
Leio teus olhos e ouço-os dizerem-me: Amo-te… (com doçura).